quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

O CARNAVAL - DEFINIÇÃO, ORIGENS E COMEMORAÇÕES

O Brasil é o país do Carnaval - esta é a realidade conhecida quase que mundialmente. Todos os anos, independentemente de crises ou dificuldades, o país pára por alguns dias e celebra essa grande festa, com grande pompa, requintes e euforia. De uma forma ou de outra, seus participantes se envolvem com os festejos, dentro de suas próprias condições ou até acima delas, tudo no empenho de não perder o tal 'reinado de Momo'.

Neste contexto já estabelecido como realidade folclórica, estamos nós cristãos como Igreja de Jesus, e muitas vezes com dificuldades para encarar o nosso posicionamento sobre esse assunto. Desconhecendo a verdade nesse particular, alguns deixam de evidenciar sua fé, e com isso dão a impressão de que o Carnaval e o Cristianismo não são incompatíveis entre si.

O texto que o leitor irá acompanhar aborda essa questão, mostrando o Carnaval nas suas origens e comemorações gerais, e apresenta um posicionamento bíblico que deve definir a conduta cristã em relação ao assunto.

Assim, inseridos no contexto da maior festa popular, como servos de Deus que somos, existe a possibilidade de viver e evidenciarmos nossa fé cristã, cumprindo assim a nossa missão de "luzeiros no mundo" (Fp 2.15).


DEFINIÇÃO

O termo "Carnaval" não possui uma origem etimológica tão definida e clara. Os estudiosos do assunto levantam três possíveis origens para o termo: uma seria 'carnem levare', do latim 'abstenção de carne', ou do italiano 'carnevale' - 'adeus à carne' - termos esses que expressam o costume de se abster de carne no último dia que antecede a Quaresma. Outra possibilidade é que seja derivado do latim 'carnevamen' ou 'carnis levamen' - literalmente 'prazer da carne', como significando os apetites e exageros antes do período de respeito  e moralidade da Quaresma. E uma outra possibilidade é que o vocábulo venha do latim 'carrus navales' - 'carros navios', uma espécie de barcos com rodas, usados em cortejos festivos.

Para todas essas etimologias encontramos defensores e opositores, mas em essência, o termo expressa o período que antecede a Quaresma, seja com jejuns e continência para alguns, ou tal como se usa o termo para designar os festejos e exageros que precedem a quarta-feira de cinzas. Aliás, esse é o sentido predominante, pois independente da real origem etimológica, "carnaval" hoje é sinônimo de festa, euforia, exagero, farra, orgia, atrapalhadas ou confusões, tal como os linguistas colocam nos dicionários.

Portanto, o nosso estudo em pauta, "carnaval" será usado para referir-se aos festejos gerais que precedem a Quaresma, festejos esses que constituem a maior festa popular, com todos os seus requintes, euforias e as mais variadas celebrações, inclusive até fora de sua data ou período costumeiros.


NO EGITO ANTIGO

Em tempos remotos, o Egito festejava suas grandes divindades, o boi Ápis e Ísis, com grandes celebrações populares. Nestas o povo participava com procissões e oferendas, músicas e danças, num misto de devoção e euforia coletivas, prestando homenagem a essas divindades tão estimadas. Especificamente na festa ao boi Ápis, os egípcios pintavam um boi branco com vários símbolos e cores, o cortejavam festivamente pelas ruas, com toda a sociedade egípcia fantasiada ou mascarada e em grande devassidão, até que finalmente no rio Nilo afogassem esse boi. E a deusa Ísis também era homenageada com folguedos populares, com pompa, devoção e euforia dos seus adoradores.


NA GRÉCIA ANTIGA

O gregos foram a civilização mais intelectual do mundo antigo, não só criando e desenvolvendo uma cultura nova, como também assimilando e reformulando conceitos e costumes de outros povos. Em matéria de costumes religiosos, eles criaram e viveram em função de uma mitologia tão diversificada, que não havia nada no seu cotidiano que não fosse regido por uma divindade específica. E nessa diversidade de crenças e celebrações, algumas divindades tinham seus cultos que consistiam em festins de grande euforia popular, como no caso do culto a Dionísio, considerado filho de Júpiter. Dionísio era o deus do vinho, e em sua homenagem o povo bebia e se embriagava, saía em grandes procissões com toda sensualidade e devassidão.


NO IMPÉRIO ROMANO

O Império Romano, englobando muitas nações com seus vários costumes, sintetizou muito deles em certas comemorações novas, ou apenas adaptou os mesmos para sua mentalidade ou interesses próprios. É por isso que os deuses da mitologia antiga têm nomes gregos e latinos.

A Roma antiga era cheia das mais variadas diversões para agradar a todos, e assim tinham seus muitos 'carnavais'. Deu outra forma à crença e comemorações gregas a Dionísio, transformando-o em Baco e celebrando-lhe os famosos 'bacanais'.

Em meados de dezembro realizavam-se as 'Saturnais', que eram festividades a Saturno, que segundo a crença geral era o deus expulso do Olimpo, tornando-se o doador da alegria, em contraposição à miséria e pobreza, tão comuns na sociedade daquele tempo. Em fevereiro celebravam as 'lupercais', que eram cortejos dos sacerdotes do deus Pã, chamados 'lupercos', que despidos e sujos de sangue agitavam as multidões. Em março comemoravam com grande algazarra a festa ao deus Baco, os conhecidos 'bacanais' romanos, que possivelmente eram a maior celebração popular antiga, em que seus participantes embriagados cometiam todos os devaneios possíveis. Nessas festas os participantes, tais como os indus, usavam máscaras e invocavam seus antepassados mortos e lhes celebravam homenagens. Em todos esses festins o Império Romano praticamente parava, para que o povo ficasse por conta das comemorações. As diversas classes sociais se misturavam desfazendo-se as desigualdades, a ordem pública era quase abolida, escolas, tribunais e repartições públicas do governo fechavam suas portas, a imoralidade e a libertinagem ficavam liberadas. E como usava-se máscaras e fantasias, era difícil identificar os participantes em seus devaneios!

Nesta celebração abolia-se a decência, e o povo extravasava suas euforias sufocadas pela moral de outras épocas do ano, escarnecia-se das realidades gerais do seu cotidiano, e numa total liberdade de expressão física e verbal, sem restrição alguma, dramatizava e até ridicularizava tudo que era considerado motivo para farras. Acredita-se que a origem dos carros alegóricos seja a maneira de ridicularizar os carros dos generais romanos e suas entradas triunfais após as grandes vitórias militares...

Como Roma influenciou tantos povos e culturas, o seu Carnaval foi exportado para grande parte do mundo, sendo celebrado em cada lugar com os estilos próprios dos povos que o incorporaram ao seu folclore local.

E no decorrer da história, mesmo com o advento do Cristianismo, o Carnaval não foi abolido das celebrações anuais. Autoridades eclesiásticas de grande expressão como Tertuliano, Cipriano e Clemente de Roma se posicionaram contra tal costume, mas mesmo assim o Carnaval continuou e chegou inclusive a ser incentivado e patrocinado pelo Papa Paulo II, pois em meados do século XV durante seu pontificado, perto do seu palácio, na Via Lata, se celebrava os festejos carnavalescos com máscaras, corridas de cavalos, carros alegóricos e batalha de ovos, farinha e água entre os participantes!


O CARNAVAL BRASILEIRO

O Carnaval chegou ao Brasil com os colonizadores. No início estava vinculado mais à classe alta da nobreza e, com o tempo, foi também celebrado por outras classes sociais; tudo isso nas regiões mais influentes do período colonial, como a Bahia e principalmente Rio de Janeiro.

Segundo alguns historiadores, a primeira manifestação carnavalesca no Brasil se deu em 1641, no Rio de Janeiro, quando para comemorar a restauração do trono português, com muita pompa membros do governo carioca da época fizeram grande cortejo em saudação a D. João IV. Já nesse tempo os portugueses tinham seu festim eufórico, chamado 'entrudo', que consistia da entrada de cortejos pelas ruas e avenidas, com músicas, danças e fantasias, com o envolvimento dos que desejassem participar. Em tempos posteriores, mo século XIX, segundo se tem notícia, o próprio recatado D. Pedro II, na Quinta da Boa Vista, (Rio de Janeiro), participava dos festejos, atirando água aos membros da nobreza, pois era costume nestes festins, o jogar água, talos de hortaliças, farinha e ovos entre os foliões.

Em 1840 foi realizado o primeiro baile com máscaras, isso no Hotel Itália no Rio, por iniciativa da italiana sua proprietária. Alguns anos depois, em 1948, o sapateiro português José Nogueira de Azevedo Prates - (o Zé Pereira), saiu no cortejo tocando bumbo, dando origem assim aos ritmos carnavalescos, que nesse tempo já era de grande participação popular, onde as diversas classes sociais se misturavam na festa, sendo que escravos vestiam de ricos para ridicularizar seus patrões! Com o tempo esses cortejos foram sendo organizados em grupos, surgindo assim, em 1866, os 'cordões' ou as sociedades carnavalescas. Em 1885 já havia desfiles com carros alegóricos.

Na Bahia, por esse tempo, o Carnaval já era predominante, pois surgia em 1885, os 'afoxés', grupos ou sociedades carnavalescos formados pelos escravos. Essas sociedades sempre foram muito influentes no carnaval baiano, e ainda hoje têm seus blocos remanescentes, como 'os filhos de Gandhi' e o 'Olodum', internacionalmente conhecidos.

No Rio de Janeiro, em 1889, os blocos carnavalescos foram organizados e até licenciados pelas autoridades locais para as suas apresentações, tornando-se assim em desfile oficial, com carros alegóricos e muitas fantasias. Pouco tempo depois, em 1892, chegavam os confetes importados; depois as serpentinas substituíram as rosas que eram jogadas nos foliões... Mais tarde, em 1906, chegavam da França os 'lanças-perfume', proibidos futuramente na década de sessenta, por serem usados como entorpecente. Músicas eram compostas para cada Carnaval, com temas variados: Assim a renomada abolicionista Chiquinha Gonzaga compôs em 1899, o "Ô abre alas"; em 1917 o primeiro samba, o "Pelo telefone" de Donga. Em 1919 já havia concursos de músicas carnavalescas no Rio de Janeiro, algo que tanto floresceu que o prefeito Pedro Ernesto o oficializou em 1932.

A primeira escola de samba nasceu no Rio, no Bairro do Estácio, em 1928. Em 1933, o jornal carioca 'A Noite' instituiu o "Rei Momo", e o primeiro foi o compositor Silvio Caldas. Em 1935 ocorreu a legalização do desfile das escolas de samba, e no ano seguinte já havia concurso de fantasias. O primeiro grande desfile de fantasias aconteceu no Teatro Municipal do Rio, em 1937. Na década de sessenta surgiram as bandas, e mais recentemente os trios elétricos...

Em linhas gerais esse é o histórico do Carnaval brasileiro, sendo hoje uma das maiores festas do mundo. Gastos enormes são feitos pelo poder público para essa festividade, desde enfeites decorativos, até prevenção ou combate à doenças ou tragédias vinculadas ao evento. Sem se considerar crises ou fatores adversos, anualmente o país pára por alguns dias e celebra o Carnaval, que a cada ano se torna mais requintado, sensual e profano.

Sendo assim, o Carnaval é comemoração antiga, oriundas de várias culturas remotas, celebrado com objetivos diversos, sejam religiosos e pagãos, ou simples folclore de um povo que faz sua diversão nacional, conhecida como 'reinado de Momo'. Para fins de esclarecimentos, "Momo" ou 'Sarcasmo', segundo a mitologia grega, era um deus, filho do deus Sono e da deusa Noite, que no Olimpo criticou as maravilhas feitas pelos deuses Netuno, Vulcano e Minerva, o que provocou sua expulsão do Olimpo, vindo então para o reino dos homens na terra, sorrindo como se nada lhe tivesse acontecido e, perdido nesse contexto, com seus olhos escondidos por uma máscara, passou a observar todas as ações divinas e humanas, e nelas encontrando motivos para se divertir e fazer suas zombarias...

Portanto, o Carnaval é mesmo o reinado de Moma, e mesmo que não seja comemorado especificamente para esse suposto deus decaído, tal festa é a real expressão desse conceito pagão tão antigo, na qual predomina toda espécie de escárnio, zombaria ou ridicularizações bizarras, exatamente como o comportamento de Momo, considerado como 'Rei do Carnaval'.


Fonte Bibliográfica: FONSÊCA, Salvador Moisés. Respostas da Fé Cristã - O posicionamento cristão acerca de costumes do mundo atual. Patrocínio, Minas Gerais: CEIBEL, 2003. pag. 95-104.


Obs.: Esse texto teve pequenas alterações sem mudar ou distorcer a visão do autor sendo honesto à ideia de tal. Também é justo lembrar que o estudo exposto no livro "Respostas da Fé Cristã - O posicionamento cristão acerca de costumes do mundo atual" tem mais conteúdo acerca do assunto e é mais completo. Se quiserem ter acesso ao material (livro) entrem em contato com o CEIBEL pelo telefax: (34) 3831-2059; ou pelo e-mail: ceibel@wbrnet.com.br

_______________________________________________________________________

O Rev. Salvador Moisés da Fonsêca é bacharel em Teologia, ministro presbiteriano e professor no Instituto Bíblico Eduardo Lane (IBEL).
Via: reformandoideia.blogspot.com.b

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

E Judas? Será que ele alguma vez foi um salvo?






Por Ednaldo Cordeiro


Sempre que transitamos nas conturbadas estradas da predestinação, nossos opositores, no sentido doutrinário, levantam a questão de Judas, o Iscariotes, afirmando que enquanto não havia traído o Mestre, era um salvo, já que andava entre eles, falava como eles, pregava como eles, e o próprio Cristo o escolhera para ser um de seus apóstolos.

Eu sei que é difícil aceitar aquilo que muitas vezes se coloca de forma clara diante de nossos olhos, devido aos nossos amados pressupostos. Lutei e ainda luto para vencer alguns que insistem em permanecer, mas prossigo conhecendo ao Senhor, moldando minha mente à Palavra. Algumas vezes me deparo com minhas limitações, e peço a Deus que me ilumine, e quase sempre Ele atende, algumas vezes me deixa de molho por um tempo, outras não se dá ao trabalho de responder.

Mas o caso de Judas é emblemático, pois aqueles que não acreditam que Deus possa reprovar alguém, condenar sem dar sequer uma chance, não aceitam que Judas tenha sido escolhido exatamente para fazer o que fez, ou seja, trair a Cristo. Alguns, inconsistentemente, afirmam que qualquer um dos discípulos poderia ter feito o mesmo.

Eu até poderia afirmar que qualquer um dos discípulos poderia ter sido o traidor, se eu não tivesse a Bíblia em mãos e se isso, a traição, ainda estivesse por acontecer. Realmente eu não sei o que acontecerá daqui a alguns segundos, que dirá dias ou anos, mas o que aconteceu e está registrado eu sei, e o que eu sei é que Judas foi o traidor porque estava destinado a isso. Inclusive, nossos opositores negam o seu próprio ensino sobre a presciência divina, ao defender a idéia de que o traidor poderia ter sido Pedro, por exemplo.

A Escritura é clara quanto a isso, Judas nunca foi um dos que teve seu nome escrito no livro da vida. Vamos ver como a Bíblia trata Judas.

Ladrão (João 12:6), e se Paulo, anos depois, ensinava que os ladrões não herdam o Reino dos Céus, 1 Co 6:10-11, quanto mais Cristo;

Um diabo (João 6:70), se o caso fosse de possessão demoníaca, Jesus poderia muito bem expulsar o “encosto” e Judas “tão bonzinho que era”, deixaria de roubar da bolsa, e jamais teria traído Jesus.

Haviam profecias de que o Messias haveria de ser traído, isso é ponto pacífico. Se haveria o ato, também devia haver o agente executor desse ato. Dizer que Deus deixou isso aberto no tempo é tolice. Na verdade, para demonstrar que Judas foi escolhido por Cristo para isso mesmo, bastaria ler os versos finais do capítulo 6 de João, onde Cristo diz “Não vos escolhi a vós os doze? e um de vós é um diabo.”. Cristo diz que Judas “é um diabo”, não que Judas se tornaria um após Satanás entrar nele como escreve Lucas, ou ter dado lugar como escreve o próprio João. Judas ERA um diabo.

Ainda no capítulo 6, mas agora nos vs.64-65, e fazendo uma montagem da fala de Cristo, retirando os comentários joaninos do meio da fala, e colocando-os no final, fica até mais fácil compreender: “Mas há alguns de vós que não crêem.[...] Por isso eu vos disse que ninguém pode vir a mim, se por meu Pai não lhe for concedido, porque bem sabia Jesus, desde o princípio, quem eram os que não criam, e quem era o que o havia de entregar.”. João afirma que “desde o princípio” Cristo sabia que havia descrentes entre os discípulos, bem como também sabia quem seria o traidor, apenas os apóstolos estavam alheios a esse fato, afinal eram simples humanos limitados no tempo e no espaço, e se Cristo desde o princípio sabia quem seria o traidor, não havia a possibilidade de algum dos outros discípulos passarem na frente de Judas.

Judas estava no lugar errado, como bem nos ensina Pedro após a ascensão de Cristo. Ele diz em Atos 1:25 que Judas se desviou do caminho de Deus para ir para O SEU PRÓPRIO CAMINHO. Judas apenas seguiu seu destino.

Agora, se formos buscar oportunidades de salvação no sentido que os nossos opositores usam, Judas teve todas, ele ouviu a Palavra da boca daquele que é a Palavra, ele teve oportunidade de pregar o Evangelho, ele curou enfermos, mas a despeito de ter visto e ouvido tudo isto, o discurso de Cristo era, e ainda é, “duro” de engolir. O próprio Jesus nos adverte acerca deste tipo de pessoa em Mateus 7:21-23, onde Ele afirma que não é porque alguém diz que Jesus é Senhor de sua vida, ou porque opera sinais e maravilhas, mas continua mantendo atitudes iníquas, que está salvo. Estes não são frutos da salvação, o fruto da salvação é uma nova natureza que tem prazer em fazer a vontade do Pai. E Judas não tinha isso, apesar dos sermões de Cristo, continuava roubando, apesar dos dons de operar maravilhas, continuava sendo “um diabo”. Sendo assim, ao trair Cristo, ele estava apenas seguindo o seu próprio caminho.

Se os nossos opositores estivessem corretos, Deus não poderia condenar nenhuma das pessoas que não tiveram a “oportunidade” de ouvir o Evangelho, pois, segundo eles, seria injusto condenar sem dar a chance. Como diria o Pr. Renato Vargens, vamos combinar uma coisa, em nenhum lugar da Bíblia há este tipo de ensino, são simplesmente sofismas humanos aplicados na interpretação bíblica, ou seja, não tem nenhum valor.

Concluindo, afirmar que qualquer outro discípulo poderia ter sido o traidor, para aqueles que advogam a eleição presciente, é atirar no próprio pé. No fim das contas, a única posição que realmente podemos seguir é a de que, apesar de ter caminhado entre os salvos por mais de três anos, Judas nunca foi um deles, ele sempre foi o filho da perdição, nascido para cumprir o propósito de trair o Messias.

***
Fonte: Divinitatis Doctor via-bereianos.blogspot.com.br

quarta-feira, 29 de julho de 2015

A arca da “Ganância” | Rev. Leandro Lima



Após a conclusão do Templo de Salomão (que deveria ser chamado Templo de Mamon), surge mais um objeto espantoso: uma réplica revestida de ouro da Arca da Aliança. O objeto era o mais sagrado do antigo templo de Israel, representava a presença de Deus na Velha Aliança. Com a primeira destruição do templo no século 6 a.C., a arca se perdeu, talvez tenha sido levada para Babilônia e derretida. Só o Indiana Jones no cinema conseguiu encontrá-la.
No meu post anterior sobre o templo que teve milhares de compartilhamentos (muito mais do que eu esperava) também recebi algumas críticas. As principais foram: inveja e escândalo para os incrédulos. O velho argumento do “pare de criticar e vá trabalhar” também foi evocado. Sobre “inveja" não vou perder tempo respondendo.
Sobre “escândalo”, creio que a acusação está invertida. Não sou eu quem está escandalizando os incrédulos. Segundo a Escritura, os desvios do verdadeiro Evangelho é que são “escândalos”. Além do mais, o mundo precisa saber que há muitos cristãos que não concordam com essas loucuras e megalomanias do Macedo e similares. Sobre “pare de criticar e vá trabalhar”, penso que uma coisa não elimina a outra. Devemos trabalhar, pregar o Evangelho, mas, ao mesmo tempo, temos a responsabilidade bíblica de apontar os desvios que deturpam e envergonham o verdadeiro Evangelho(Gal 1.6-9, Col 3.8, 16-19, 1Tm 4.1-2, 2Tm 4.-5, 2Ped 2.1-3).
Fica cada vez mais explícita a intenção mercadológica de todos esses empreendimentos. Num video que circula na internet, o Macedo chamou os empresários que haviam dado dinheiro para a obra à frente e lhes disse: “agora, Deus fica na obrigação de abençoar você, é uma troca”. 
Se chamei o templo do Macedo de “aberração”, preciso chamar essa arca de “abominação” (Is 44.19). Sim, pois trata-se de um objeto da mais pura e terrível idolatria. As pessoas simples, sem discernimento, olharão para esse objeto pensando que encontrarão ali o seu milagre. Mais uma vez, o grande problema é justamente abandonar o verdadeiro Cristo por objetos feitos por mãos. Deixar de lado a pura e límpida mensagem da Cruz, poderosa para salvar todos os arrependidos, por uma mensagem poluída, gananciosa, que torna os seguidores nada mais do que avarentos em busca de bens materiais.
E nesse caso, há um curioso fator adicional: Em Jeremias 3.16, a Escritura diz: "Sucederá que, quando vos multiplicardes e vos tornardes fecundos na terra, então, diz o SENHOR, nunca mais se exclamará: A arca da Aliança do SENHOR! Ela não lhes virá à mente, não se lembrarão dela nem dela sentirão falta; e não se fará outra”. O Edir Macedo fez.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

O Que Você Gostaria de Saber Sobre Predestinação... Mas Tem Receio de Perguntar



por
Dr. W. Wilson Benton, Jr

INTRODUÇÃO

Por Dr. Rod S. Mays

Houve um tempo em que a teologia, o estudo de Deus e Sua Palavra, era um campo de estudo respeitado e reverenciado. A teologia era vista como um solucionador de problemas, como a resposta às questões mais profundas, e não apenas um tópico para debates. Era uma época em que a cultura prevalecente refletia uma postura muito mais vertical (Deus- Homem) do que horizontal (Homem-Homem).
Hoje, os mesmos problemas continuam, as mesmas questões ainda são apresentadas, mas a teologia não é mais vista como fonte para as respostas. Recorre-se a tudo que seja, e onde quer que seja — exceto a Deus, para responder:
"Quem está no comando? Por que isto ou aquilo aconteceu, e como se explicar? Pode qualquer um ser um Cristão, bastando para isso apenas querer? Por que eu devo me levantar de manhã?"
A teologia nos dá respostas a tais perguntas, e muito mais. Uma resposta definitiva a todas as questões acima, e as muitas outras que nos mantêm acordados na madrugada, incluem palavras e conceitos tais como predestinação e eleição. Para aceitarmos esses conceitos, os quais reconhecem a soberania de Deus sobre Sua Criação, nosso modo de raciocinar precisa ser revisto e retificado. O pensamento corrente, e a sabedoria convencional são dominados pelo empirismo (experiência) e racionalismo (pensamento), em vez da revelação bíblica.
"Tudo o que Você Gostaria de Saber Sobre Predestinação, mas Tem Receio de Perguntar" nos faz lembrar que as Escrituras de fato nos ensinam as doutrinas da predestinação e eleição. Wilson Benton, como um comunicador dotado, explica o mistério, o significado e a mecânica desta verdade, bem como as idéias equivocadas que a cercam. Seu escrito supre muito mais do que o proverbial “raso e extenso” sumário de um assunto complexo. Ele não escreveu uma verdade resumida com o intuito de torná-la boa ao paladar de um número máximo de pessoas, mas o máximo de verdade para todos aqueles que desejam ouvir.
Nestas poucas páginas, Dr. Benton nos responde algumas de nossas mais constrangedoras questões, mas sem se afastar da doutrina básica da Palavra, de que Deus está no comando. Deus está operando em Seu mundo, Salvando um povo para Ele mesmo, declarando que todos aqueles que clamarem pelo nome do Senhor, serão salvos. Acreditando nesta verdade nós compreendemos a razão de termos que nos levantar de manhã. A Confissão de Fé de Westminster nos lembra que “o grande mistério da predestinação deve ser abordado com especial cuidado e prudência”. Dr. Benton trata desta doutrina de tal modo que, quando o leitor digere a última sentença ele tem louvor, reverência e admiração por Deus.
Para esta época, em que a cultura é orientada por um modo de pensar tipo “mente- aberta”, “igualdade-de-oportunidade”, “sentimental”, “experimental”, este tratado deverá “balançar”. Possam os “dissidentes” e “auto-suficientes” da teologia, serem libertados de seus cativeiros intelectuais. Possam os cristãos fracos, inseguros e vacilantes serem fortalecidos na medida em que lêem essas linhas. A verdade sobre a predestinação é de fazer perder o fôlego! Ao mesmo tempo que oferece fôlego novo, ar fresco para almas cansadas. O trabalho de Dr. Benton nos aponta para a reivindicação da verdade do Evangelho. Ele deve causar em nós o retorno a um modo de pensar Teocêntrico.
Leia, pense, aprenda, e aplique, pois é a verdade!


Efésios 1:1-14
Paulo, apóstolo de Cristo Jesus por vontade de Deus, aos santos que vivem em Éfeso, e fiéis em Cristo Jesus, graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado, no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça, que Deus derramou abundantemente sobre nós em toda a sabedoria e prudência, desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu, como as da terra; nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade, a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão esperamos em Cristo; em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória.

ELEIÇÃO: UMA DOUTRINA BÍBLICA

“Se não houvesse outro texto na palavra sagrada, exceto este, eu penso que todos seríamos obrigados a receber e reconhecer a verdade desta grande e gloriosa doutrina da antiga escolha de Deus, de Sua família. Mas, parece que há um inveterado preconceito na mente humana contra esta doutrina, e embora a maioria das outras doutrinas sejam recebidas por cristãos professos, algumas com precaução, outras com prazer, contudo, esta parece ser mui freqüentemente desconsiderada e mesmo descartada. Em muitos de nossos púlpitos, seria reconhecido como grande pecado e alta traição pregar um sermão sobre eleição, porque eles não poderiam fazer o que chamam de discurso “prático”. O que quer que Deus tenha revelado, Ele o fez com um propósito. Não há nada na Escritura que não possa, sob a influência do Espírito Santo, tornar-se um discurso prático: pois toda escritura é dada por inspiração de Deus, e é proveitosa”.
Com estas palavras Charles Spurgeon começou o seu famoso sermão sobre a doutrina da eleição. Nós devemos começar onde ele começou - com a lembrança de que esta é uma doutrina bíblica. As Escrituras falam de “eleição” e “predestinação.”
Elas usam exatamente estas palavras; os termos não são invenção da mente humana. Howard Hageman escreveu:
“Eu nunca fui capaz de entender porque esta doutrina, que tem ocupado um lugar central no pensamento cristão ao longo dos séculos, deveria ser rotulada de Calvinismo, como se João Calvino a tivesse concebido e seus discípulos fossem os únicos que tivessem levado a sério a doutrina da predestinação.”
Talvez possa lhe interessar saber que a doutrina da eleição tem sido dado status de credo por várias denominações, como a Igreja Católica Romana, a Igreja Anglicana, a Igreja Luterana, a Igreja Episcopal, a Igreja Metodista, e a Igreja Batista, bem como a Igreja Presbiteriana. Mas realmente, isto vai além do ponto.
Autoridades humanas não importam neste caso, sejam contra ou a favor - a questão é simplesmente esta:

A Bíblia ensina a doutrina da eleição? A resposta é “Sim.”

Entretanto, como Spurgeon, devemos ao mesmo tempo lembrar-nos a nós mesmos de que esta é uma doutrina sobre a qual pesa muito preconceito. Para usar suas palavras: “Há um inveterado preconceito na mente humana contra esta doutrina”. E de fato há. Talvez você tenha preconceito contra esta doutrina. Talvez você não goste dos termos “eleição” e “predestinação”. Talvez até mesmo o som daquelas palavras causem em você uma sensação de desconforto. Mas, desconfortável ou não, esta doutrina pertence ao inteiro conselho de Deus, o qual eu estou comissionado a pregar e você comissionado a atender.
Como Spurgeon devemos nos lembrar de que esta é uma doutrina abençoada. Os frutos resultantes de um honesto e sincero estudo desta doutrina são frutos verdadeiramente gloriosos. Não é minha intenção ser provocativo, mas prático, embora, sem dúvida, minha abordagem prática possa provocar alguns de vocês. Não obstante, é meu desejo, em oração, que este estudo seja usado para enriquecer nossas vidas, e ampliar nossa visão de Deus; aumentar nosso senso de dependência Nele. Se isto não for prático, então o que será?
Com este breve preâmbulo, vamos examinar o mistério desta doutrina, o significado desta doutrina, a mecânica desta doutrina, e finalmente as idéias equivocadas a respeito desta doutrina.

1.O MISTÉRIO DA ELEIÇÃO
Vamos partir de um denominador comum. Até um certo ponto há unanimidade absoluta de opinião. Ambos, aqueles que aceitam a doutrina da eleição, e aqueles que a rejeitam, concordam que ela é um mistério profundo, e de fato é. E que reside além do poder de compreensão da nossa mente finita. Devemos confessar, antes de prosseguirmos, que nós não a entendemos. Mas, e daí? Nós estamos cercados de mistério por todos os lados, não estamos? Tão logo abrimos a Bíblia, somos confrontados com um mistério.
- Por que um Deus que é onisciente, onipotente, e que poderia desde o começo, antevendo as terríveis conseqüências do pecado, não impediu que este entrasse no mundo? Mas Ele não impediu, impediu?
- Ou, como pode um homem que é nascido em pecado ser tido como responsável pelo seu comportamento pecaminoso? Mas é isto que a Bíblia afirma, não é?
- Ou, como pode um Deus que nos ama e é tão benigno e complacente, não livrar-nos completamente de nossos pecados neste mundo? Mas Ele não faz assim, não é mesmo?

Uma Vida de Mistério

As questões teológicas não são os únicos mistérios associados à raça humana. A desigualdade da experiência humana é igualmente insolúvel.
- Um homem nasce com visão, outro nasce cego.
- Um homem nasce com boa constituição física e goza de boa saúde, enquanto outro nasce com estrutura bem fraca, e não demora a ir para a sepultura.
- Um homem nasce na riqueza e desfruta de todo o conforto, outro nasce em pobreza, e conhece apenas a miséria.
- Um nasce numa família cristã e desde cedo recebe os ensinamentos do Evangelho, enquanto outro nasce num país onde ele nunca ouvirá falar de Jesus Cristo.
A pessoa envolvida não tem nada a ver com as circunstâncias acima mencionadas, no entanto aquelas mesmas circunstâncias afetam não apenas sua felicidade e sua peregrinação aqui na terra, mas também o caráter da sua vida, e até mesmo o destino de sua vida. Nós perguntamos,
“Por quê? Por que a desigualdade? Por que Deus permite que tais diferenças existam? Por que eu nasci na América e não na África?”. Nós não sabemos porque, sabemos?
Nós devemos crer que Deus tem boas e sábias razões para seu modo providencial de lidar com cada indivíduo em particular, mas no ponto em que nos achamos, em nossa condição presente, tais razões permanecem um verdadeiro mistério, não permanecem?

Os Caminhos de Deus São Misteriosos

Não é apenas a experiência humana que nos leva a conjecturar ou supor que os caminhos de Deus são misteriosos, mas a Sua Palavra realmente nos ensina que Seus caminhos são misteriosos. No livro do profeta Isaías nós lemos,
Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o Senhor porque assim como os céus são mais altos que a terra, assim são os meus caminhos mais altos que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos que os vossos pensamentos” (Isaías 55:8-9).
O livro de Romanos explica,
Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Quem, pois; conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro?”(Rm 11:3-34).
Os caminhos de Deus são de fato misteriosos.

Nossa Resposta ao Mistério

Qual deve ser então a nossa resposta a esta doutrina de mistério? É claro que não devemos permitir que este elemento de mistério seja causa para rejeitá-la. Nós não aceitamos apenas aquilo que entendemos completamente, não é mesmo? É claro, senão nós jamais poderíamos aceitar a Deus, pois não somos capazes de entendê-Lo completamente. Você vê? Não é uma questão de ignorância por um lado, e compreensão por outro lado; é uma questão da Palavra inspirada de Deus.
Se a Bíblia nos ensina, por mais mistério que haja, nós devemos crer. O orgulho intelectual humano pode nos dificultar chegar lá, mas a fé humilde nos encoraja. Mas nós não podemos também ir ao outro extremo e dizer, “Trata-se de uma doutrina muito elevada! É muita teologia para mim! Um mistério! Jamais serei capaz de entendê-la, por isso nem tentarei” Não, não! Se Deus revelou-nos Sua verdade em qualquer área, então é nossa responsabilidade conhecer aquela verdade o mais completamente possível. Eleição e predestinação são mistérios de fato, mas não tão misteriosos que não tenham significado.

II. O SIGNIFICADO DA ELEIÇÃO
O que significa “eleição”? A palavra em si, o que significa? Vejamos o que diz o dicionário Webster:
“Eleição significa escolhido por Deus, separado para a vida eterna”.
Isto é precisamente o que queremos dizer quando usamos a palavra “eleição”.
Eleger significa “selecionar” ou “escolher, separar, tomar um e deixar outro”.
Quando elegemos um candidato a um certo cargo, é isto que fazemos. Nós tomamos uma pessoa, a colocamos na posição, e deixamos a outra pessoa. A definição de A. W. Pink para eleição será útil aqui; ele escreve,
“significa que Deus tem separado certos indivíduos para serem objeto de Sua graça Salvadora, enquanto outros são deixados sofrer a justa punição pelos seus pecados. Significa que antes da fundação do mundo, Deus escolheu, de entre toda a massa da humanidade decaída um certo número, e os predestinou para serem conformes a imagem de Seu Filho”.
Este é o significado da palavra eleição.

A Doutrina da Igreja Universal

E assim tem sido usada a palavra eleição ao longo dos anos na história da Igreja. Os Trinta e Nove Artigos são a constituição eclesiástica da Igreja Anglicana e da Igreja Episcopal. No artigo 17 nós lemos,
“Predestinação para a vida é o eterno propósito de Deus, através do qual (antes que os alicerces do mundo fossem assentados) Ele definitivamente decretou pelo Seu conselho secreto a nós, livrar da maldição e danação aqueles a quem Ele escolheu em Cristo, tirados da humanidade, e para traze-los a Cristo para a salvação eterna”.
Na Confissão Batista, Artigo 3, lemos,
“Pelo decreto de Deus, para a manifestação da Sua glória, alguns homens e anjos são predestinados, ou preordenados para a vida eterna através de Jesus Cristo, para o louvor da sua graça gloriosa; outros sendo deixados agir em seus peca dos, para ajusta condenação deles, para o louvor da sua gloriosa justiça... .Aqueles da humanidade que são predestinados para a vida, Deus, antes que os alicerces do mundo fossem assentados, de acordo com a Sua vontade, escolheu em Cristo, para a glória eterna, por sua mera e livre graça, sem qualquer outra coisa na criatura como condição ou causa que O motivasse.”
A vigésima questão do Breve Catecismo de Westminster pergunta,
“Deixou Deus todo o gênero humano perecer no estado de pecado e miséria?” A resposta diz: “Tendo Deus, unicamente por sua boa vontade, desde toda a eternidade, escolhido alguns para a vida eterna, entrou com eles em um pacto de graça, para os livrar do estado de pecado e miséria e os levar a um estado de salvação por meio de um Redentor”.

Uma Definição Escriturística

Esta é a maneira como o homem tem usado a palavra eleição. Significando simplesmente a escolha que Deus faz de algumas pessoas para dar-lhes o dom da salvação. As Escrituras confirmam esta definição da palavra. Não seria prático ler todos os trechos da Bíblia que fazem alguma referência à eleição ou a predestinação. Citemos apenas alguns textos.
Cristo diz em João 15:16, “(Vão fostes vós que escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça, a fim de que, tudo quanto pedires ao Pai em meu nome, ele vá-lo conceda”.
Atos 13:48; “Os gentios, ouvindo isto, regozijavam-se e glorificavam a palavra do Senhor e creram todos os que haviam sido destinados para a vida eterna”.
Romanos 11:5,7: “Assim pois, também agora, no tempo de hoje, sobrevive um remanescente segundo a eleição da graça.... Que diremos pois? O que Israel busca, isto não conseguiu, mas a eleição o alcançou e os mais foram endurecidos”.
2 Tessalonicenses 2:13: “Entretanto, devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados pelo Senhor porque Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação no Espírito e fé na verdade”.
Além destas, temos as palavras de nosso texto: “Assim como nos escolheu Nele, antes da fundação do mundo....segundo o beneplácito de sua vontade”. (Efésios 1:4a,5b).

Objeções Mantidas

Está lá! Você não poderá negar sem tomar uma faca e cortar da Bíblia estas passagens. Da massa da humanidade, Deus escolheu certas pessoas para serem o objeto de seu amor e sua graça. E quando perguntamos porque teria Deus feito isto, devemos responder, não sabemos porque. Ele não nos disse porque. Mas uma coisa nós sabemos, não foi por qualquer coisa naqueles escolhidos. Não porque eles fossem mais inteligentes ou melhores, ou qualquer outra coisa. Não foi também porque possuíssem algum desejo inerente de conhecer a Deus, ou algum amor inerente pela verdade, ou alguma justiça inerente.
A Bíblia diz que todos pecaram e carecem da glória de Deus (Romanos 3:23). O Senhor escolheu alguns porque ele decidiu escolher alguns, segundo o conselho de sua própria vontade, de acordo com o seu bel-prazer. Isto é tudo o que podemos dizer. Deus escolheu alguns homens, antes que o mundo fosse formado, para serem os recipientes do dom de Sua salvação. Você pode rejeitar esta doutrina, você pode recusar-se a aceitá-la, mas você não pode dizer que este não é o seu significado, pois isto é precisamente o que ela significa, e quer dizer.

III.A MECÂNICA DA ELEIÇÃO

Tendo determinado o significado da doutrina, somos agora levados à próxima pergunta, “Como ela funciona? Qual é a mecânica da doutrina da eleição?”
Para responder a esta questão, volvamos a atenção para aquele trecho das Escrituras que tem sido chamado de a corrente ou a cadeia de ouro de Romanos 8, versículos 29 e 30.
Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conforme a imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou, a estes também chamou; e aos que chamou, a estes também justificou; e aos que justificou, a estes também glorificou”.
É uma corrente que, estendendo-se de eternidade a eternidade, a um ponto, desce e toca o tempo. Um dos extremos está ancorado na eternidade passada, onde fomos pré-conhecidos e predestinados — e a outra extremidade está ancorada na eternidade futura, onde somos glorificados — o meio desta cadeia descendo e tocando a terra onde somos chamados e justificados. Trata-se de uma cadeia contínua e ininterrupta. Não é que alguns foram pré-conhecidos, e destes, alguns foram predestinados, e destes, alguns foram chamados, e destes, alguns foram justificados, e destes, alguns foram glorificados. Não! Todos os que foram de antemão conhecidos, foram também predestinados, e estes foram chamados e justificados, e também glorificados.

Um Conhecimento Íntimo

Olhemos de perto os elos daquela corrente. “Aos que Deus de antemão conheceu”. O que isto quer dizer? Bem, alguns dizem que quer dizer que Deus estava previamente familiarizado com todas as pessoas antes mesmo que algum ser humano tivesse nascido. Deus conhecia todos os homens. Vejamos como que isto se encaixa. Se conhecer previamente significa estar previamente familiarizado com todos os homens, e eles dizem que Deus estava previamente familiarizado com todos os homens, então Deus previamente conheceu todos os homens. Isto implica, então, que todos são predestinados, todos são chamados, todos são justificados, e todos serão glorificados. E isto significa que todos os homens estão indo para céu. “Não”, nós dizemos, “Não pode ser este o significado. Talvez queira dizer que Deus de antemão conhecia alguns aspectos da vida das pessoas.” “Aqueles a quem Deus soube de antemão que aceitariam a Jesus Cristo como Salvador, estes ele predestinou para a vida eterna”. A Bíblia também não diz isto. Você poderá procurar em toda a Bíblia, de capa a capa, pela qualificação desta afirmativa, e não encontrará. Ela apenas diz. “Aqueles que Deus de antemão conheceu”. A chave para entender a palavra neste caso, reside em entender o que significa conhecer alguém no sentido bíblico. De acordo com o uso nas Escrituras, conhecer alguém significa ter com ela um relacionamento próximo, íntimo e pessoal. Existem pessoas em nossas congregações sobre as quais poderíamos afirmar que “Já nos vimos algumas vezes, mas eu realmente não as conheço”. Nós estamos usando o verbo “conhecer” num sentido bíblico, quando fazemos tal afirmativa. Deus falou, referindo-se a Israel, “De todas as nações, somente a vós outros vos escolhi” (“ conheci”) (Amós 3:2a).
Aquilo não quer dizer que Deus não conhecia as outras nações. E claro que Ele as conhecia todas. Mas foi sua maneira de dizer “Eu tenho um relacionamento especial com você”. Quando Maria foi informada pelo anjo de que ela teria um filho, ela disse, “Como se fará isto, visto que não conheço varão?” Com isto Maria não quis dizer que nunca havia visto um indivíduo do sexo masculino; o que ela disse foi que nunca havia tido um relacionamento íntimo com um homem, a ponto de conceber dele um filho. Este é o significado do verbo “conhecer” na Bíblia, e é o significado usado naquela passagem de Romanos. Quando Deus de antemão conhece seu povo, isto quer dizer que Ele tem com as pessoas envolvidas um amor especial, e entra com eles num relacionamento especial, muito antes deles virem a nascer. Este é o primeiro elo da cadeia: Deus de antemão conhece seu povo.

No Caminho para a Salvação

Naquela passagem também é dito, “Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou” quer dizer que Ele não apenas escolheu um povo para Si, mas ele estabeleceu o procedimento através do qual esse povo viria a Ele.
Charles Spurgeon formulou um modo interessante para explicar o relacionamento entre pré-conhecimento (conhecimento de antemão) e predestinação:
“O pré-conhecimento foi pelo mundo afora marcando as casas às quais a salvação viria, e os corações onde o tesouro deveria ser depositado. O pré-conhecimento olhou a raça humana, desde A dão até o último, e marcou com uma estampa sagrada aqueles para os quais a Salvação havia sido designada. Depois veio a Predestinação. A Predestinação não apenas marcou as casas, mas mapeou o caminho através do qual a Salvação deverá viajar até chegará cada casa. A Predestinação ordenou cada movimento do grande exército da Salvação; ordenou o tempo quando o pecador será trazido a Cristo, a maneira como será salvo, e os meios que devem ser empregados; a Predestinação marcou a hora exata e o momento quando Deus, o Espírito, deve vivificar mortos em pecados, e quando paz e perdão serão comunicados através do sangue de Jesus Cristo. A Predestinação marcou o caminho de modo tão completo, que a Salvação não saltará jamais um passo, não queimará etapas, nem jamais estará perdida no caminho”.
Este é o segundo elo da cadeia, Deus ordenou os meios pelos quais uma pessoa virá à fé em Jesus Cristo.

O Chamado do Espírito

O terceiro elo é o chamado, e aqui a cadeia desce da eternidade até o tempo. “E os que predestinou, a estes também chamou”. Aqueles a quem Deus escolheu, Ele os chamou no homem interior, pela operação de Seu Espírito, para, em fé, responder à oferta do Evangelho. Muitas pessoas têm sido chamadas; pense nisto. Pense nos milhões de pessoas que têm ouvido Billy Graham na televisão, ou pense nos milhões de pessoas que ao longo da história têm ido às igrejas e ouvido o Evangelho sendo pregado, e o convite para aceitar a Cristo como Salvador sendo oferecido. Muitos são os chamados, mas poucos são os escolhidos. Muitas pessoas ouvem exteriormente o chamado do Evangelho, mas poucos respondem interiormente. Apenas aqueles que são chamados pelo Espírito de Deus responderão interiormente. Sem o chamado do Espírito de Deus, a pessoa jamais responderá ao convite. Ela está, de acordo com as Escrituras, morta em delitos e pecados (Efésios 2:1). Ela não pode fazer nada até que o Espírito a desperte, dizendo, “Ouça, é a voz de Deus a chamar-te”. Este é o terceiro elo da cadeia - o chamado do Espírito de Deus para receber a Jesus Cristo em fé.

O Perdão dos Pecados

E aos que chamou, a estes também justificou” - o quarto elo da cadeia. A pessoa que responde ao chamado e recebe a Cristo como Salvador é a pessoa que é perdoada de seus pecados. A justiça de Cristo torna-se a sua justiça, e a morte de Cristo torna-se a sua morte, e a penalidade por seus pecados é paga. Aos olhos de Deus, a pessoa permanece “como se” nunca tivesse pecado. Diante da Lei é declarada justa aos olhos de Deus.

A Certeza do Céu

Os que são justificados aos olhos de Deus, são os que são glorificados. Você e eu somos glorificados, mas você diz, “Espere um minuto, você fala como se eu já estivesse no céu. Mas eu ainda não cheguei lá.” Não, mas o texto usa o tempo passado, não usa? “E aos que justificou, a estes também glorificou”. A segurança e tamanha, e é tão certo na mente de Deus que você estará nos céu, que Ele pode falar como se você já estivesse lá.
Se Deus chamou você, então você ouvirá e responderá, e em respondendo lhe será dada a segurança da vida eterna na presença Dele. A cadeia é intacta e contínua. Deus o Pai escolhe; Cristo o Filho morre; e o Espírito Santo nos chama à fé — as três pessoas da Trindade estão unidas em trazer-nos a Salvação. Este é o modo como funciona, a mecânica da Salvação.

IV - IDÉIAS EQUIVOCADAS SOBRE ELEIÇÃO

Mais do que Justo

Há sempre aqueles que não compreendem a mecânica, aqueles que lêem na doutrina coisas que não estão ali. Por isto, será proveitoso dedicarmos algum tempo examinando algumas idéias equivocadas sobre esta grande e gloriosa doutrina. Existem sempre aqueles que dizem, “Não está certo, não é justo Deus escolher algumas pessoas e deixar outras”. Há diversas maneiras de responder a esta objeção. Nós podemos dizer, como o apóstolo Paulo em Romanos 9: 20-21, “Quem és tu, ó homem, para discutires com Deus?! Porventura, pode o objeto perguntar a quem o fez: porque me fizeste assim? Ou não tem o oleiro direito sobre a massa, para do mesmo barro fazer um vaso para honra, e outro para desonra?”.
Quem é o homem para dizer a Deus que Ele é injusto? Ele é o Criador, e pode fazer com a criatura o que bem Lhe agradar. Nós também podemos responder a esta objeção (de que não seria justo Deus escolher alguns homens e deixar outros) dizendo que fazer esta objeção é negar um fato cardeal de Evangelho - nominalmente que a Salvação não é uma recompensa a ser ganha, ou um prêmio a ser merecido. É simplesmente um dom imerecido. E uma vez admitindo que a Salvação é um dom, nós, pela lógica, somos levados a aceitar a doutrina da eleição. Porque se é um dom — um dom, lembre-se, Deus pode distribuir como Ele quiser. Ele não apenas tem esta prerrogativa, mas de acordo com as Escrituras Ele a exerce. “Logo, ele tem misericórdia de quem quer; e também endurece a quem lhe apraz”. (Romanos 9:18).
Deus não está em débito com ninguém. Ele poderia mandar todas as almas para o inferno, e ainda assim ser justo, pois a salvação não é questão de justiça, mas uma questão de graça, e graça é um dom e um dom é dado de acordo com a vontade do doador.

Se Você o Quer, Então Você Já Recebeu
Sempre surge a questão, “E a pessoa que deseja ser salva, mas não pode ser, no caso de não ser um dos eleitos de Deus?”.
Deixe-me enfatizar uma coisa — tal pessoa não existe!
Seria impossível para uma pessoa desejar a Salvação e não recebê-la, porque você vê, o simples desejo pela Salvação já é uma indicação de que Deus deu àquela pessoa o desejo. E se Deus deu-lhe o desejo, também providenciará para que tal desejo seja satisfeito e cumprido. Lembre-se, é uma cadeia intacta e contínua. Se a pessoa deseja conhecer a Cristo como Salvador isto é um sinal seguro de que Deus já iniciou nela, em seu coração, a obra da graça; e aquela obra, tendo sido iniciada, será completada, e a pessoa virá em fé a Cristo. Criar uma pessoa que suspira, “Ó, eu desejo ir para o céu, mas não posso porque não sou um dos eleitos de Deus,” é criar uma pessoa hipotética, inexistente. Suponha que eu tenha algo em minha mão que você considere sem valor; algo absolutamente sem utilidade para você. E suponha que eu diga, “Eu vou dar esta coisa para fulano de tal”. Você não tem o menor direito de resmungar ou reclamar porque, para início de conversa, você nem iria querer aquela coisa. O descrente, o não cristão, diz através de sua atitude e comportamento na vida, que ele não quer Deus, não quer Cristo, e não quer salvação. Mas se ele quer então ele os terá a todos. Cristo nunca afastará de si aqueles que vierem a Ele; é Ele mesmo que diz, “Aquele que vier a mim, de modo nenhum o lançarei fora” (João 6:37). Se você O quer, então você pode tê-Lo. E Se você não O tem, é porque você não O quer. Portanto, não crie a pessoa hipotética que diz, “Eu O quero, mas não posso tê-Lo”. Tal pessoa não existe.

Os Meios da Salvação
Mas, isto levanta sempre uma outra questão: Então para que pregar o Evangelho a alguém se aqueles que vão ser salvos, serão salvos, e aqueles que não vão ser salvos, não serão salvos? Qual então a razão de toda a conversa sobre evangelismo e missões, e para que toda a excitação sobre a pregação e a oferta de convite para alguém aceitar a Cristo como Salvador? A eleição não cortaria o nervo do evangelismo? Claro que não.
Honestamente, pensemos bem nisto. Você espera estar vivo no próximo domingo? Diga-me a verdade. Você espera estar vivo no próximo domingo? Você sente que Deus lhe dará mais uma semana na terra? Você realmente sente, não sente? É claro que sim. Neste caso você não precisa comer nem beber hoje, ou amanhã, ou durante toda a semana; você não necessita nenhuma comida ou bebida ou repouso ou medicamentos, se você estiver tomando algum, durante a próxima semana. Por quê? Porque se Deus tem predestinado para que você seja mantido vivo durante a próxima semana, então não importará o que você faça. Pense bem, não é isto ridículo? E total estupidez, não é? Se você espera estar vivo na próxima semana, então você irá aplicar e usar os meios que Deus usa para manter a vida. Você irá comer, beber repousar, tomar medicamentos, se necessário.
O mesmo princípio se aplica à eleição. Deus ordenou não apenas o fim, a salvação de certas pessoas. Ele também ordenou os meios pelos quais a salvação será realizada. E de acordo com a Bíblia, Deus ordenou a proclamação do Evangelho como o meio que Ele usa para trazer as pessoas das trevas para a Sua maravilhosa luz. Você ainda acha que isto corta o nervo do evangelismo? Pelo contrário, a doutrina da eleição encoraja o evangelismo. É o maior de todos os motivos possíveis para se sustentar um testemunho fiel e verdadeiro. E uma coisa aterradora perceber que Deus pode ter incluído você em Seu plano eterno para a salvação de algumas outras pessoas. Isto faz você querer sentar-se e ficar girando os polegares?
Claro que não! Isto faz você desejar dizer a todos quantos se encontrar que, “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que Nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).
E para encerrar, isto é o que eu gostaria de dizer- lhe. Deus amou o mundo de tal maneira, que deu o Seu Filho unigênito para que todo aquele que Nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna.
Portanto, não fique por ai sentado, preocupando-se sobre se você é um dos eleitos ou não. A Bíblia nunca diz a você para fazer tal coisa.

MAS O QUE A BÍBLIA DIZ PARA VOCÊ FAZER É ARREPENDER-SE DE SEUS PECADOS E CRER NO EVANGELHO.

Você deseja o perdão dos pecados? Você deseja a vida eterna? Você deseja a segurança da esperança do céu? Então venha a Jesus Cristo como seu Salvador, e estas coisas serão suas. Deus oferece a você o Seu Filho. Ou você o recebe, ou você o rejeita. Agora, o que você fará

Nota sobre o autor: Woodrow Wilson Benton, nasceu em Jackson, Mississippi em 25 de Abril de 1941, formou-se no seminário teológico de Columbia em 1966; fez o PhD na Universidade de Edinburgo na Escócia em 1969; foi ordenado ao pastorado em 26 de Janeiro em 1966. É pastor da Igreja KIRK OF THE HILLS St. Louis, Missouri desde 1986. O artigo tem uma introdução por Dr. Rod Mays, Truth for Life, Series Editor J. Lingon Duncan III, Ph.D.

FONTE: Revista OS PURITANOS – Ano XI – N. 02 – Abril/Maio/Junho de 2003 Páginas 3-10.

www.monergismo.com

terça-feira, 30 de junho de 2015

Unção com óleo, mitos e verdades!!


Muitos crentes tem atribuído ao "óleo ungido" o poder mágico dos contos de fada que usam o pó de "Pirlimpimpim", que basta derramar um pouco sobre a cabeça de alguém e todos os problemas serão resolvidos como um toque de mágica. Unge-se carros, paredes, roupas, casas, cachorros, gatos, cavalos, papagaios, fala-se até de unção das genitálias. Atribuem ao óleo um poder místico que é capaz de proteger o ser humano de qualquer tipo de mal. Mas será que a Bíblia atribui todo este poder a esta especiaria? Muitos crentes fazem uso do mesmo sem conhecer de fato quais as propriedades que são dadas na Bíblia quanto ao uso e manuseio do mesmo. Precisamos entender sua simbologia e propósito no Antigo Testamento e qual o sentido que o mesmo adquiri no Novo Testamento. A princípio encontramos o seu uso no Antigo Testamento, pessoas e coisas eram ungidas a fim de significar santidade ou separação da pessoa ou coisas a Deus: como as colunas do templo (Gen. 28:18); todo tabernáculo e seu mobiliário (Ex. 30: 22); os escudos eram consagrados para as guerras travadas entre Israel e outros povos.(II Sm. 1: 21). Ao ser ungido pessoa ou coisa, ambos se tornavam santos e sacrossantos(Ex. 30: 22-33). A unção com óleo era uma prática ordenada por Deus no Antigo Testamento para a consagração de sacerdotes e dos reis, como foi o caso com Arão e seus filhos (Ex 28:41) e Davi (1Sm 16:13). Duas verdades podemos significar este ato: o individuo estava sendo capacitado para o serviço e apontava para a realidade do derramamento do Espírito Santo. Mas, e no Novo Testamento, qual o sentido da unção com óleo? Primeiro, todos os rituais do Antigo Testamento eram simbólicos e típicos e tais coisas foram abolidas na ascensão de Cristo. Segundo, agora o método usado para a consagração de pessoas a Deus para o serviço eclesial no Novo Testamento é a imposição de mãos. No livro de Atos os apóstolos não ungiram os diáconos quando estes foram nomeados e instalados, mas as autoridades daquele tempo lhes impuseram as mãos (Atos 6.6). Os Pastores também eram consagrados pela imposição de mãos e não pela unção com óleo (1Tim 4.14). Mormente, podemos afirmar que não existe um único exemplo de pessoas sendo consagradas ou ordenadas para os ofícios da Igreja cristã mediante unção com óleo no N.T. A imposição de mãos para os ofícios cristãos substituiu a unção com óleo para consagrar sacerdotes e reis. Terceiro, a unção com óleo sagrado dos utensílios do templo fazia parte das leis cerimoniais próprias do Antigo Testamento. De acordo com a carta aos Hebreus, estes utensílios, bem como o santuário onde eles estavam, “não passam de ordenanças da carne, baseadas somente em comidas, e bebidas, e diversas abluções, impostas até ao tempo oportuno de reforma” (Hb 9.10). Além disto, o templo de Salomão já passou como tipo e figura da Igreja e dos crentes, onde agora habita o Espírito de Deus (1Co 3.16; 6.19). O templo foi destruído no ano 70 d. C. pelos romanos, e após isso, perde o seu propósito. Ou seja, não há um único exemplo, uma ordem ou orientação no Novo Testamento para que se pratique a unção de objetos para abençoá-los. Na verdade, isto é misticismo pagão, puro fetichismo, pensar que objetos absorvem bênção ou maldição. Por último, digo que a única base fundamentalmente Bíblica no Novo Testamento para o uso do óleo é quando Jesus ordena seus discípulos ungir os doentes quando os mandou pregar o Evangelho. O texto diz: Que eles ungiram os doentes e estes ficaram curados (Mc 6.13).” Mas note o seguinte: (1) foi aos Doze que Jesus deu esta ordem; (2) eles ungiram somente os doentes; (3) e quando ungiam, os enfermos eram curados. O outro texto é quando Tiago ordena que os doentes sejam ungidos com óleo em nome de Jesus (Tg 5.14).”. Note nesta passagem os seguintes pontos. A iniciativa é do doente: “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor."1) Ele chama “os presbíteros da igreja” e não somente o pastor; 2) O evento se dá na casa do doente e não na igreja; 3) E o foco da passagem de Tiago, é a oração da fé. É ela que levanta o doente, “E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados” (Tg 5.15). Não é a unção que tem poder curativo, e sim a oração. A unção é apenas simbólica, e não há nela poder para transformar a realidade das pessoas. Atente-se a estes princípios, caso não esteja enquadrado neles, significa que sua ortopraxia(prática) tem sido sem ortodoxia (conhecimento).
Rev. Régis Silva - adaptado (texto de Augustus Nicodemos)