quarta-feira, 24 de maio de 2017

COMO SER O SAL DA TERRA

A questão é: o que é que Jesus estava tentando ensinar com essa mensagem, com essa figura do sal, o qual não existe para estar dentro do saleiro; que não existe para estar protegido, guardado, mas que é sal da terra, e não sal dentro do sal; sendo sal dentro de um contexto totalmente diferente do seu próprio conteúdo de sal. O que Jesus está querendo dizer quando diz aos discípulos:
"Vocês vão viver em meio a diferenças, a coisas que lhes são estranhas. Vou jogá-los dentro de algo que é radicalmente o oposto de vocês. Vocês não estão no mundo para procurar uniformidade para as suas próprias vidas. Ao contrário, vocês vão viver num ambiente essencialmente avesso a vocês, para que possam alterá-lo."
O que Jesus estava querendo dizer com isso? Pelo menos três coisas. A primeira é acerca da mensagem existencial que nos é trazida por Jesus. Quando Ele diz "Vós sois o sal da terra", Jesus está afirmando um conteúdo existencial extremamente diferente. Ele quer dizer:
"Vocês vão ser o elemento diferenciador deste planeta, dando gosto à Terra."
A Terra a que Ele está-se referindo não é a terra arável e cultivável na qual se pode plantar uma semente; mas a sociedade humana. Segundo Jesus, viver neste mundo não tem sabor, é amargo; a existência é insípida e sem prazer. O que Jesus está dizendo é que a Sua expectativa, quanto à nossa existência no mundo, é a mais prazerosa possível. Ninguém fala de sal, de gosto, de tempero, sem falar de uma existência com sabor, alegria, incitamento, desafio e sem aventura. Quando Jesus nos diz que somos o sal da terra, Ele nos afirma que a nossa vida tem que ser a mais saborosamente fantástica que esse mundo já viu, uma vez que ela tem de ter, no seu cerne, um conteúdo de gosto para o desgosto da terra. Ele nos diz ainda que devemos ser o paladar de Deus nessa terra insípida, sendo o elemento que traz sabor a uma existência inteiramente destituída de sabor. Agora, o que isso tem a ver com o projeto da existência da Igreja no planeta? às vezes, vejo muitos projetos eclesiásticos existindo para tirar o sabor, estragar o prazer e arruinar a vida. Onde há gosto, nós o tiramos. Onde existe a esperança, passamos a pregar o pessimismo. A segunda coisa que Ele está dizendo quando afirma que somos o sal da terra é que há uma dimensão ética nessa vocação. Se por um lado levamos sabor ao mundo, levando-lhe um conteúdo existencial radicalmente diferente daquele que o mundo tem em si mesmo, por outro lado não somos iguais ao mundo. Aliás, a nossa utilidade, diz Jesus, está em que mantenhamos dentro da Terra, dentro da sociedade humana, enquanto damos sabor e gosto, a diferença. "Vós sois o sal da terra".
Nós somos o sal, a terra é a terra. Quando o sal fica com gosto de terra, tornando-se insípido, vira monturo, não sendo possível diferenciá-lo de um monte qualquer. Para ser sal, tendo sentido e significação, torna-se necessário manter o conteúdo imaculado. Destarte, a diferença não vai ser estabelecida e medida por critérios visíveis, como tamanho de cabelo, o uso ou não de batom, o porte ou não de jóias, o ter ou não ter... A diferença não é esta. A diferença é ética, a qual se relaciona com as demais dimensões da vida, começando com as de natureza mais privada e indo para aquelas mais públicas. Não se está falando, aqui, de legalismos ou de literalismos; porém da manutenção do espírito de justiça, de verdade, de bondade, que se traduz em comportamento bondoso, que jamais se torna frouxo, e de uma liberalidade humana que jamais se torna libertina, mas que mantém um conteúdo de verdade, a qual não se transforma num "justicismo" executor, mas de uma verdade vivida em amor. Essa dimensão é diferenciadora, a qual se carrega, juntamente com Jesus, para dentro do mundo. Isso não pode ser negociado; isso não pode ser alterado. Só quando se mantém isso é que, mesmo nos vestindo como os outros cidadãos à nossa volta; ainda que fazendo parte de uma mesma comunidade lingüística, portanto, falando uma mesma língua; embora sendo pessoas vivendo uma mesma época que outras, somos radicalmente diferentes da geração da qual fazemos parte. A terceira coisa que Jesus diz quando afirma que somos o sal da terra é algo relativo à natureza social.
A primeira dimensão é existencial (leva-se gosto ao desgosto do planeta) . A segunda dimensão é de natureza ética (é-ser sal na terra, e não da terra; é-ser sal não dentro do saleiro, mas na terra, fazendo-se parte de algo que é totalmente diferente da nossa natureza intrínseca, mantendo a diferença, porém, conservando o conteúdo) . A terceira diferença tem uma dimensão social. Jesus não diz:
"Você é o sal da terra."
Mas:
"Vós sois o sal da terra".
Isso é plural, é comunitário, é coletivo, é social. Não é uma andorinha sozinha trazendo o verão, porém é uma revoada de pássaros esperançosos com uma nova época, com uma nova estação. Não é um cavaleiro solitário com a intenção quixotesca de transformar o mundo, no entanto é alguém inserido numa comunidade de fé, olhando para fora e dizendo:
"Você, eu, nós enfim, vamos viver como o sal da terra."
Isso, portanto, conquanto não iniba nossos sonhos pessoais, nossas potencialidades individuais e nossos desejos mais íntimos, tal dimensão nos compele a rever a nossa vida, a nossa existência e o nosso projeto pessoal como tendo necessariamente que fazer parte de algo maior do que nós, que é o nosso próximo. Não é uma questão de ser o sal da terra, mas de nós sermos o sal da terra, em nome de Jesus.


Autor: Caio Fábio


Nenhum comentário:

Postar um comentário

PAGANISMO CRISTÃO.

CRISTIANISMO ESTA AINDA SEM CONHECER O EVANGELHO,QUANDO SE DIZ VAMOS FAZER PEREGRINAÇÃO,OU PROCISSÃO,OU ROMARIA ATÉ UM TEMPLO LONGÍNQUO COM ...